Pular para o conteúdo

XXIII Encontro SOCINE

Terça – 8/10

  • Credenciamento
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Abertura
    (Teatro Unisinos)
  • Confraternização
    (Espaço Unisinos)

Quarta – 9/10

  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Almoço
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Lançamento de Livros
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • IV Fórum de Discentes de Pós-Graduação
    (Sala 804 da Torre Educacional)
  • Sessão ABPA
    (Cinemateca Capitólio)

Quinta – 10/10

  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Almoço
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Mesa “Preservação e Memória Hoje”
    (Teatro Unisinos)

Sexta – 11/10

  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Almoço
  • Apresentações
    (Torre Educacional)
  • Café
    (Foyer do Teatro Unisinos)
  • Assembleia da SOCINE
    (Teatro Unisinos)
  • Festa!!!
    (Espaço Cultural 512)

Pré-Socine

Cinemateca Capitólio – Sala Decio Andriotti
7/10, das 9h30 às 17h30
8/10, das 9h30 às 16h

A Pré-Socine 2019/Porto Alegre convida estudiosos em cinema e audiovisual, bem como a comunidade geral a trocar experiências sobre as salas de cinema e exibição cinematográfica em Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul e no Brasil.

As palestras e as oficinas que compõem a Pré-Socine 2019/Porto Alegre estão diretamente relacionadas ao ST - Seminário Temático SOCINE dedicado à exibição cinematográfica, espectatorialidades e artes da projeção no Brasil. Assim, o eixo das palestras e oficinas programadas pretende colaborar na revisão do olhar hegemônico da História do Cinema, através da descentralização do foco sobre filmes e diretores/autores para a valorização do estudo do espaço de exibição cinematográfica e sua articulação com a fruição fílmica, que implica a experiência pessoal (afetiva e sensorial) e os desdobramentos relativos ao espaço de exibição e interação coletiva em sua diversidade espectatorial. Ou seja, nosso esforço se faz através do deslocamento da grande História do Cinema para as micro-histórias de cinemas.

A Pré-Socine é gratuita e está aberta ao público em geral.

Segunda-feira, 7 de outubro

09:00 – Inscrições

09:30 - Abertura e boas-vindas (Angela Prysthon, Milton do Prado, João Luiz Vieira e Marcus Mello)

10:00 – Alice Trusz (Historiadora). A exibição cinematográfica em Porto Alegre: a construção de uma prática cultural.

12:30 - Almoço

14:00 – Talitha Ferraz (ESPM-Rio/PPGCine-UFF). Mapeando cinemas, mobilizações e memórias dos públicos: caminhos metodológicos.

15:00 – Fábio Augusto Steyer (UEPG), Cinema, imprensa e sociedade em Porto Alegre (1895-1930)

15:30 - Marcus Mello (Cine Capitólio), A trajetória da Cinemateca Capitólio: avanços, impasses e desafios.

16:00 - Intervalo

16:30 - Exibição e debate do longa-metragem Cine São Paulo (SP, 2017, dir. de Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli, 78 min).

Documentário que acompanha a rotina de Francisco Teles, proprietário de uma sala tradicional da cidade interiorana de Dois Córregos, no Estado de São Paulo, em sua luta para “modernizar” a sala. O objetivo do Sr. Teles, entretanto, não está na digitalização e sim em conseguir um novo projetor 35mm, trocar a pintura, envernizar o chão de madeira etc.

Terça-feira, 8 de outubro

09:30 - Kate Saraiva (Coletivo CineRuaPE). Mapeando cinemas do Recife

10:30 - Bruna Tavares (Mostra Pajeú de Cinema.), Cinemas de rua no sertão do Pajeú, Pernambuco.

Exibição com debate do curta Cine São José (dir. De William Tenório, 2017, 11 min)

Documentário que registra o esforço coletivo para salvar e reconstruir um importante cinema art-déco no interior de Pernambuco.

11:30 – Exibição e debate do curta metragem Uma balada para Rocky Lane (dir. de Djalma Galindo, 2017, 20 min)

Rocky Lane trabalhou e dedicou toda uma vida para um cinema em Arcoverde, no sertão pernambucano. Sua maior tragédia foi o fechamento da sala nos anos 1980.

12:00 – Almoço

13:30 – Memórias do Vimark Cine: trajetória do cinema de rua de Irati, no Paraná - Vinícius Carvalho (ESPM-Rio/ PPGCine-UFF)

14:00 - Cristiano Zanella (jornalista), The End - Cinemas de calçada em Porto Alegre

14:30 - André Dib (UFPB). Em busca dos cinemas perdidos: relato sobre as expedições no centro de João Pessoa-PB. Comentários de João Luiz Vieira (UFF) e Kate Saraiva (Coletivo #CineRuaPE)

15:30 - Encerramento e prévia do tour Expedição arqueológica em busca dos cinemas perdidos, com acompanhamento de Alice Trusz (a parte completa do tour ocorrerá na sexta-feira, 11/10, entre 13:30 e 16:00h).

Palestra de Abertura: A memória como material da criação cinematográfica

Teatro Unisinos
8/10 às 19h30

Flavia Castro, cineasta
Mariana Duccini, pesquisadora

Flavia Castro, diretora dos longas Diário de Uma Busca (2010) e Deslembro (2018), deixou o país aos cinco anos, com seus pais, exilados pelo regime militar. Morou no Chile, na Argentina, na Bélgica e na França, voltando para o Brasil em 1979, com a Anistia. Flavia alterna trabalhos em ficção e documentário, sempre utilizando a memória como força motriz de criação, muitas vezes com o uso direto de material de arquivo. Como roteirista, pesquisadora ou assistente de direção, trabalhou com importantes documentaristas, como Richard Dindo (Diário de Che na Bolívia, 1994), Philippe Grandrieux (Le Jeu des animaux, 1995) e Eduardo Escorel (Imagens do Estado Novo, 2015). Flavia escreveu e dirigiu dois curtas: Cada um com Seu Cada Qual (2006) e Matemática (2013) que faz parte do longa-metragem “A aula vazia”, com direção artística de Gael García Bernal. Foi roteirista de Nise: O Coração da Loucura (2015), de Roberto Berliner. Diário de uma Busca (2010) foi exibido em mais de 30 festivais, somando 13 prêmios pelo mundo. Deslembro (2018), seu primeiro longa de ficção como realizadora, teve sua estreia mundial na seleção oficial do Festival de Veneza 2018 (Mostra Orizzonti), foi lançado no comercialmente em 2019 e terá uma exibição especial na Cinemateca Capitólio em 7/10, às 19h.

Mariana Duccini é Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2013) e Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2007). Atualmente, desenvolve estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Multimeios da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com bolsa Capes (PNPD-CAPES). É Pesquisadora-membro de Genecine - Grupo de Estudos sobre Gêneros Cinematográficos e Audiovisuais (Unicamp); História, Comunicação e Consumo (ESPM); e MidiAto - Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas (ECA-USP). Foi professora no Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa (São Paulo), entre 2010 e 2016; na Faculdade de Tecnologia Saint Paul (São Paulo), entre 2012 e 2013; na pós-graduação em Estudos da Linguagem da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), entre outros. Tem experiência nas áreas de Comunicação, Cinema, Audiovisual e Jornalismo.

Mesa Especial “Preservação e Memória Hoje”

Teatro Unisinos
10/10, às 19h

Para discutir as dificuldades do presente e os desafios do futuro da preservação audiovisual no Brasil, a XXIII Socine propõe uma Mesa Especial com o nome do evento, que contará com:

  • Hernani Heffner, conservador-chefe da Cinemateca do MAM
  • Inês Aisengart Menezes, preservacionaista audiovisual
  • Ana Luiza Azevedo, cineasta, presidente do Conselho Consultivo da Cinema Capitólio
  • Gustavo Daudt Fischer, professor e pesquisador do PPG de Comunicação da Unisinos.

Homenagens

Teatro Unisinos
8/10, às 19h

Fernão Pessoa Ramos

Tenho a honra e o prazer de apresentar o homenageado do XXIII Encontro Socine: Prof. Dr. Fernão Pessoa Ramos, Titular do Departamento de Cinema do Instituto de Artes da UniCamp - Universidade Estadual de Campinas - e pesquisador do CNPq.

Estamos homenageando Fernão Ramos, em primeiro lugar, por ter sido idealizador e membro fundador da Socine, tendo sido seu 1˚ Presidente, por cinco anos, de 1997 a 2002. Estamos homenageando Fernão Ramos também por contribuir enormemente para a formação acadêmica na área de Cinema e Audiovisual, com ênfase em suas pesquisas sobre Teoria do Cinema, sobre Documentário e sobre Cinema Brasileiro, sempre enfocando o pensamento teórico e filosófico. Seus livros mais recentes – “Nova História do Cinema Brasileiro” (2018), “A Imagem-Câmera” (2012), “Enciclopédia do Cinema Brasileiro” (2011) e “Mas afinal …o que é mesmo documentário?” (2008) referenciam suas potencialidades e sua atuação como pesquisador.

Denize Araújo

Miguel Pereira

Miguel Pereira, falecido em fevereiro deste ano de 2019, foi crítico de cinema entre as décadas de 1960 e 1980, e professor da PUC-Rio, no Departamento de Comunicação Social, desde 1975, e um dos fundadores do Programa de Pós- Graduação em Comunicação, em 2003, da mesma instituição, além de ter sido coordenador do programa.

A partir de seu trabalho como docente e pesquisador na PUC-Rio, Miguel Pereira ajudou a formar diferentes gerações de pesquisadores.

Seu jeito afável, a simplicidade que trazia para o meio acadêmico, seus sorrisos e abraços constates seguem na memória dos pesquisadores que ele ajudou a formar, e não serão esquecidos.

Teatro Unisinos
11/10, 17h30

Glênio Nicola Póvoas

Com muita satisfação, a organização do XXIII Encontro Socine dedica sua homenagem ao pesquisador e professor Glênio Nicola Póvoas, membro do corpo docente da Escola de Comunicação, Arte e Design / Famecos PUCRS.

Roteirista, pesquisador e programador, Glênio foi autor da pesquisa sobre o filme “Vento Norte” (Salomão Scliar, 1951) no mestrado na ECA / USP e da indexação de filmes feitos no Rio Grande do Sul, entre 1904 e 1954, em seu doutorado no PPGCOM da PUCRS. Entre suas ações, foi responsável, em conjunto com a RBS TV, pelo trabalho de catalogação e preservação dos arquivos cinematográficos da Cinegráfica Leopoldis-Som, com a separação de nitratos e o posterior envio para Cinemateca Brasileira. Glênio também esteve à frente do grupo de trabalho da APTC-RS que levou à criação da Cinemateca Capitólio, em Porto Alegre. Também foi um dos idealizadores, junto com a historiadora Alice Trusz, dos Encontros com o Cinema Silencioso Brasileiro, sessão mensal de filmes brasileiros mudos que aconteceu durante dois anos no Cine Santander, onde atuou como programador.

Flávia Seligman

Festa de Encerramento

Espaço Cultural 512 (Rua João Alfredo, 512 - Cidade Baixa, Porto Alegre)
11/10, às 22h

O Espaço Cultural 512 é o bar parceiro do XXIII Encontro Socine e estará aberto todas as noites para receber os participantes do evento com uma programação especial que inclui música ao vivo, karaokê e a Festa de Encerramento.

Terça Feira (08/10) - Lucas Ortiz no 512

Clássicos do samba, samba rock e releituras da música brasileira em ritmo de balanço vão fazer da noite uma criança
Entrada gratuita!
Abertura da casa às 19h; Show: 21h
Dose dupla de chope até às 21h

Quarta Feira (09/10) - Karaokê ao vivo da Socine no 512

Nesta quarta vai rolar karaokê com banda ao vivo e os participantes vão poder subir no palco acompanhados de um trio - e escolher a música a ser cantada de uma lista que está sendo preparada com muito amor e humor!
Entrada gratuita!
Abertura da casa: 19h; Show: 23h
Dose dupla de chope até às 21h

Quinta Feira (10/10) - Show Cecé Pássaro no 512

Cecé Pássaro e banda convidam todos os seres para bailarmos corpo e alma, no Espaço Cultural 512, num show que integra novas sonoridades brasileiras, fundindo tambores e guitarra, do prog suburbano ao funk psicodélico. Convidamos especialmente as e os participantes do XXIII Encontro SOCINE para celebrarmos com dança a Preservação e Memória Hoje! - para todes chegarem mais que inspirades para o último dia do encontro!
Entrada: R$7,50 mediante apresentação de credencial do ENCONTRO SOCINE
Abertura da casa: 19h; Show: 22h

Sexta Feira (11/10) - FESTA DE ENCERRAMENTO: Transe no 512

Um dos álbuns mais aclamados da música brasileira comemora 47 anos em 2019. “TRANSA”, do músico Caetano Veloso, foi lançado em 1972, quando o cantor voltou do exílio na Inglaterra e contou com a participação de grandes nomes da música em sua concepção, entre eles: Jards Macalé, Tutti Moreno, Moacyr Albuquerque e Áureo de Sousa, responsáveis pelos arranjos do disco. Para celebrar esta obra prima da nossa música, foi lançado, em meados de 2018, o Transe! Tributo a Caetano Veloso, que já tem circulado em alguns espaços e casas de show, sendo sucesso de público em Porto Alegre.

A ideia do projeto veio da vontade de homenagear um dos ícones da canção mundial. No show, a banda executa o antológico disco Transa, além de apresentarem também outros antigos e novos sucessos de Caetano. Transe! Tributo a Caetano Veloso é formada pelos músicos Cecé Pereira (voz), Gabriel Gorski (guitarra), André Paz (baixo), Duda Cunha (bateria) e Bruno Coelho (percussão).

Entrada: R$7.50 mediante apresentação de credencial SOCINE do ENCONTRO SOCINE ou pagamento antecipado através do Sympla (Em Breve)
Abertura da casa: 19h; Show: 23h
Dose dupla de chope até às 21h